* Cantinho Satkeys

Refresh History
  • FELISCUNHA: ghyt74 pessoal  49E09B4F
    Hoje às 11:15
  • Radio TugaNet: bom dia
    Hoje às 09:59
  • j.s.: dgtgtr a todos  4tj97u<z
    24 de Março de 2019, 14:56
  • Radio TugaNet: boas vito
    24 de Março de 2019, 14:03
  • vitoriano: um otimo domingo para todos
    24 de Março de 2019, 13:51
  • Cueca1: boa tarde pessoal
    24 de Março de 2019, 13:19
  • Radio TugaNet: boas ruben
    24 de Março de 2019, 13:12
  • H_Ruben: Boa tarde a todos. Otimo Domingo
    24 de Março de 2019, 12:36
  • Radio TugaNet: hoje pelas 15 horas na Radio TugaNet, tudo sobre trafico de orgaos humanos no brasil
    24 de Março de 2019, 11:48
  • FELISCUNHA: y5r6t cereal / M@nolo / Radio TugaNet  k8h9m
    24 de Março de 2019, 11:26
  • FELISCUNHA: Votos de um santo domingo para todo o auditório  4tj97u<z
    24 de Março de 2019, 11:25
  • Radio TugaNet: Boas cereal
    24 de Março de 2019, 11:08
  • cereal killa: bom dia amigo tuganet,e sempre a
    24 de Março de 2019, 11:02
  • cereal killa: portem-se bem.....mal ate mais logo  wwd46l0'
    24 de Março de 2019, 10:58
  • cereal killa: ghyt74 de solinho e ta bom para  r4v8p  535reqef34
    24 de Março de 2019, 10:58
  • Radio TugaNet: bom dia gente
    24 de Março de 2019, 08:16
  • M@nolo:    David Dany - As Melhores Faixas (2014/19) »»» [link]
    24 de Março de 2019, 07:37
  • flaviorfg: Steven Tyler - Front And Center Live
    23 de Março de 2019, 16:15
  • Radio TugaNet: Igualmente
    23 de Março de 2019, 14:44
  • FELISCUNHA: dgtgtr  49E09B4F e bom fim de semana  4tj97u<z
    23 de Março de 2019, 14:20

Autor Tópico: Escolas com autonomia cumprem menos de 40% dos objetivos  (Lida 12 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online Nelito

  • Sub-Administrador
  • ****
  • Mensagens: 16845
  • Karma: +2/-1
  • Sexo: Masculino
  • PORTA-TE MAL MAS COM ESTILO
Escolas com autonomia cumprem menos de 40% dos objetivos
« em: 14 de Março de 2019, 11:16 »

As escolas com contratos de autonomia cumprem menos de 40% dos objetivos definidos, segundo uma auditoria do Tribunal de Contas.

A redução do abandono escolar e o aumento do sucesso académico são dois dos principais objetivos do projeto de autonomia das escolas iniciado em 2007 e que agora foi alvo de uma auditoria pelo Tribunal de Contas (TdC), que analisou 30 casos.

No ano passado, cerca de um quarto das escolas ou agrupamentos (212) tinha celebrado contratos com o Ministério da Educação para ter mais autonomia pedagógica, curricular, administrativa e cultural e assim conseguir melhorar os resultados dos seus alunos.

Nos contratos, as direções escolares propunham-se a atingir determinados objetivos, mas, segundo o relatório do TdC, apenas 36% dessas metas foram atingidas.

"Os objetivos operacionais estabelecidos ficaram longe de ser alcançados", lê-se no relatório, que alerta para o facto de não terem sido "adotadas quaisquer ações corretivas" nem ter havido "consequências decorrentes da avaliação dos contratos, designadamente a eventual suspensão ou rescisão".

No caso do sucesso escolar, por exemplo, só 32% dos objetivos foram atingidos: em 239 medidas propostas, 76 foram conseguidas.

Já no que toca ao abandono escolar, a taxa de sucesso foi muito superior (64%), já que foram atingidos 26 dos 41 objetivos propostos pelas 30 direções escolares avaliadas.

No entanto, os auditores identificaram muitas outras "deficiências e insuficiências" que levam o TdC a recomendar ao ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, que equacione a manutenção deste programa de autonomia.

Mas, "caso entenda manter o atual modelo", sugere ao ministro que pondere rever o regime jurídico de forma a tornar estes instrumentos eficazes.

Além da baixa percentagem de metas alcançadas, o TdC encontrou falhas nas definições de objetivos estabelecidos nos contratos.

"Mais de 75% dos objetivos operacionais não eram mensuráveis nem tinham metas associadas", o que impede ou dificulta a avaliação e perceção do trabalho realizado pela escola.

O relatório indica ainda que havia muitas escolas com "interpretações e definições diferentes" para conceitos iguais.

Por exemplo, havia direções escolares para quem o abandono escolar era avaliado tendo em conta a "exclusão por faltas", mas outras entendiam que em causa estavam "anulações de matrícula" ou o "absentismo".

Perante estes casos, o TdC aconselha que "os indicadores associados aos conceitos de abandono e de sucesso escolares sejam uniformes, facilitando a comparabilidade dos resultados".

Outra recomendação é para que os objetivos tenham características específicas, capazes de serem medidas e exequíveis e que tenham "pertinência e calendarização".

Os auditores encontraram casos em que o inicialmente definido foi alterado: num dos contratos estava definido como objetivo aumentar a taxa de transição de ano de 93% para 94%, mas depois na avaliação do projeto já aparecia aumentar a taxa de 90% para 92%.

Também havia situações em que a avaliação final foi apenas qualitativa. Entre os vários exemplos apresentados pode ler-se um em que a meta a atingir era "reduzir a taxa de abandono escolar precoce para valores inferiores a 5%" e, quando o objetivo foi avaliado, apareceu apenas a indicação de "Bom".

Outra das falhas detetadas prendeu-se com o facto de ter havido mudanças no modelo de avaliação dos alunos - com o fim das provas nacionais do 4.º e 6.º anos -, mas os contratos não terem sido atualizados.

É que para avaliar o sucesso dos projetos de autonomia eram tidos em conta os resultados dos alunos nas provas nacionais e não houve mudanças quando, no ano letivo de 2015/2016, o Governo acabou com os exames do 4.º e 6.º anos.

Resultado: "os objetivos definidos nesse âmbito pelas escolas foram esvaziados e reduzidos à inutilidade, prejudicando a sua avaliação e, consequentemente, a avaliação dos contratos", refere o documento.

A continuação do programa estava dependente da avaliação sistemática dos resultados, mas, igualmente neste campo, o TdC considera que "o sistema de controlo foi inadequado e ineficaz".

O projeto previa três níveis de controlo do sistema: primeiro era a própria escola a avaliar, depois seguia para as comissões de acompanhamento, constituída por elementos representantes da escola, dos pais e serviços do ministério e, finalmente, seguia para a Inspeção-Geral de Educação e Ciência (IGEC).

O TdC concluiu que o 2.º nível de controlo "praticamente não funcionou", porque a maioria das comissões de acompanhamento não se conseguiu constituir, por serem "uma estrutura de difícil operacionalização".

E o 3.º nível de controlo "não produziu impactos relevantes" já que a avaliação da IGEC foi sempre "positiva independentemente do nível de cumprimento dos objetivos operacionais", observa o TdC.

Finalmente, recorda o TdC, os 2.º e 3.º níveis de controlo deixaram de funcionar desde o final de 2016, por determinação do ministro da Educação.

Perante estes problemas, o TdC recomenda a reformulação do sistema de monitorização, acompanhamento e avaliação dos contratos e que sejam revistos os contratos de autonomia em vigor, em particular no que respeita aos objetivos operacionais.

Em resposta, o Ministério da Educação diz que vai ponderar as recomendações e garante que já tinha identificado algumas questões relacionadas com avaliação do atual modelo
PORTA-TE MAL MAS COM ESTILO


 


TOP SITES

Topsiteseforuns